quarta-feira, junho 01, 2011

Votar?

Escrevi este texto depois das eleições presidenciais no inicio do ano. Acho que este é o melhor momento para mostrar o texto. Para todos os espertos, sim, eu esqueci-me que ainda tinha um blog. Contudo, prometo que o final do Boião não passará deste mês!


Eu voto. Todas as eleições, por mais frio que esteja, saio de casa ou do trabalho e voto pelo futuro do meu pais. É um dos direitos que temos como cidadãos e é um dos que mais devemos respeitar e cuidar. Contudo, nunca me senti tão vazio a votar como nestas últimas eleições. Sei que coloquei a cruz no quadrado que me disseram que era melhor ou que me parecia melhor. Eu sei que não sabia em quem votar, mas votei à mesma. Por mais que considere este direito importante, e por mais que não me considere uma pessoa parva ou estúpida, sinto que pessoas como eu não devem votar.
Para todos aqueles que acham que votar é estúpido, desnecessário, uma forma de rebelião ou desprezo, quero que saibam que estão correctos. Votar é tudo isso, principalmente quando ficam sentados em casa a queixarem-se e a fazerem birrinhas sobre o futuro do país. Por mais que isso seja verdade (porque eu também acho que temos maus políticos), só quero que saibam que são estúpidos. Sim, estúpidos. Estou a chamar a mais de 50% dos eleitores portugueses de estúpidos. E se querem resolver isto, combinamos e lutamos. Um a um como nos filmes.
Contudo, eu não sou melhor que vocês. Sim, eu voto, mas será que tenho consciência daquilo que faço? Poucos devem achar a politica portuguesa tão parva e sem sentido como eu. Por mais que tente, não consigo seguir aqueles que comandam o nosso país, muito por achar que não o deviam fazer e que ainda não nasceu quem nos possa sinceramente ajudar (má politica é infelizmente genética no nosso país, basta olhar para a história). Mas devia e TENHO de o fazer. Será que ninguém tem consciência daquilo que andamos a votar?! É o nosso país, caraças! É por causa de más escolhas que andamos sempre a fazer greves desnecessárias que antes de ajudarem só nos estão a prejudicar, parando o país por completo em tempos de crise.
Eu estou farto de dizer a mim mesmo: “toma atenção às próximas eleições, vê o que os candidatos dizem e querem fazer, tenta perceber por ti próprio qual deles simboliza melhor o país em que queres viver”. E todas as vezes, olho para a televisão e faço “pfffff”, colocando a língua de fora. O problema é meu, talvez a minha atenção só seja ganha quando estão robots gigantes a combaterem, mas sei que tenho de mudar. Eu estou a desperdiçar um voto como todos aqueles estúpidos (tentem apanhar-me) que não votam. Eu sou quase, repito, quase tão estúpido quando vocês e isso tem de acabar.
Quando o futuro do nosso país está em risco, nós devemos saber o que queremos e quem nos pode ajudar. Não podemos votar em pessoas só porque falam bem, são apresentáveis ou porque todos os nossos familiares vão votar nele. Temos de ir por passos, tentar perceber a que movimentos pertencem e qual deles apresenta as medidas que nós queremos ver implementadas no nosso país. Mesmo que descubram que o PNR seja o vosso partido de eleição, epá, votem, mas saibam o porquê de o estarem a fazer. Claro que ser do PNR é extremamente mau, mas não há ninguém que vos possa dizer para não serem (excepção de uma gaja boa, essas conseguem).
Eu gosto de complicar as coisas, por isso, recomendo que criem uma forma de percebermos se as pessoas que estão a votar sabem porque o estão a fazer. Do género: “explique, em duas linhas, o porquê de querer que este candidato ganhe”. O que veríamos seriam pessoas confusas, piadolas e inúmeros desenhos de “pénis”. Mas isso já devem ver nos boletins normais. Acho que o direito ao voto é importante e todos nós devemos escolher quem nos governa. Contudo, acredito que devemos saber o porquê da nossa escolha e saber argumentá-la. Não estou a tentar ser totalitário e pôr de parte todos os idosos ou estúpidos, mas sinto que mudaria alguma coisa, nem que fosse para obrigar as pessoas a pensarem.
A minha promessa é simples: eu tenho de saber. Nunca mais votarei sem saber que o estou a fazer. Nas próximas eleições vou analisar tudo e escolher por mim o candidato que mais gosto. Estou farto de ser preguiçoso ou levado a escolher por terceiros. Por mais que saiba que posso nunca o fazer pelo meu desinteresse geral por politica, não vou desperdiçar o meu voto num candidato que pode muito bem dar ainda mais cabo do nosso pais. Todos podem pensar “mas eu sou só um, o meu voto não pode alterar nada”. Tal como o meu voto em branco pode fazer com que o melhor candidato não ganhe, o vosso voto mal pensado pode pôr a encarnação do Mal nos comandos do nosso país. A culpa é de todos, vamos tentar pensar no que fazemos e vamos começar a ter consciência que apenas nós, como povo, podemos mudar a nossa condição. Por mais merda que o governo faça, não se esqueçam que somos nós que os colocamos lá e que não fazemos nada para os tirar. E sabem porquê? Porque para além do futebol e do Cozido à Portuguesa, nós não gostamos de ser portugueses. Mas isso, é outra história…

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial